Politics Hotel Boston Cattolica para o tratamento de dados pessoais

Esta declaração contém uma indicação das regras e diretivas às quais o Hotel Boston Cattolica adere no que diz respeito ao processamento de dados pessoais de usuários do site hboston.it.
Desde que o site é operado e hospedado dentro do território italiano, as informações e dados sobre os usuários do site será processado pelo Hotel Boston Católica de acordo com a legislação italiana que implementa 95 / 46 / CE e 2002 / 58 / CE do Parlamento e do Conselho Europeu, ou seja, de acordo com o decreto legislativo 30 June 2003 n. 196 e suas modificações e adições subseqüentes.

1. Finalidades e métodos de processamento de dados

O Hotel Boston Cattolica informa os usuários do site que os dados coletados serão utilizados exclusivamente para os fins especificados abaixo, e para manter os usuários atualizados sobre novidades, promoções, competições e sobre as atividades do Hotel Boston Cattolica em geral.
Sem prejuízo das comunicações e divulgação realizadas no cumprimento das obrigações legais, os dados poderão ser divulgados na Itália e / ou no exterior para:
- para atividades de marketing direto, enviando boletins informativos
- para atividades de informação;
- para criar perfis profissionais relacionados a clientes ou consumidores
- para pesquisa de mercado ou outras pesquisas para melhorar seus produtos ou serviços.
Os dados coletados podem ser processados ​​eletronicamente, magneticamente, telematicamente ou em papel e, em qualquer caso, serão protegidos por sistemas de segurança adequados que são constantemente atualizados e armazenados em um ambiente seguro e controlado.

2. Fornecimento de dados e consequências de qualquer recusa

O fornecimento de dados é opcional, exceto nos casos em que os dados coletados devem ser usados ​​para executar um contrato ou serviço solicitado pelo usuário. Neste caso, qualquer recusa da parte em questão em fornecer os dados implica a impossibilidade de o Hotel Boston Cattolica executar a atribuição recebida.

3. Pessoas encarregadas do processamento e escopo da disseminação

As informações pessoais que você fornecer serão divulgados e utilizados por, os funcionários do Hotel Boston Cattolica e / ou suas subsidiárias no exterior, com o único propósito de efetuar as atividades que constituem a razão para que foram recolhidos os dados (por exemplo, celebrar contratos para a venda ou prestação de serviços ou para envio de newsletters).

4. Direitos do interessado

Proprietário e gerente dos dados coletados é Hotel Boston Cattolica, com sede em Via Carducci, 115 - 47841 Cattolica (RN), os interessados ​​podem entrar em contato por escrito para exercer os seus direitos ao abrigo do art. 7 do D.lgt. 196 / 2003, ou seja, para:
1) para obter uma indicação da origem dos dados pessoais, das finalidades e métodos de processamento, da lógica aplicada no caso do tratamento realizado com o auxílio de instrumentos eletrónicos; os detalhes do controlador de dados, os sujeitos ou as categorias de assuntos aos quais os dados pessoais podem ser comunicados ou que podem tomar conhecimento disso;
2) obter a actualização, rectificação ou integração de dados, eliminação, anonimização ou o bloqueio dos dados tratados em violação da lei, incluindo os dados que não precisam ser mantidos para os fins para que os dados foram recolhidos ou subsequentemente processada, a confirmação de que as operações necessárias foram levadas ao conhecimento, também no que se refere ao seu conteúdo, daqueles a quem os dados foram comunicados ou distribuídos, excepto para o caso em que tal realização isso é impossível ou envolve o uso de meios manifestamente desproporcionais ao direito protegido;
3) para se opor por motivos legítimos ao tratamento de dados pessoais que lhe digam respeito, mesmo que © relevante para a finalidade da recolha ou tratamento de dados pessoais para fins de envio de material publicitário ou de venda directa ou para a realização de pesquisa de mercado ou comunicação comercial.

Art. 7. Direito de acesso a dados pessoais e outros direitos (Decreto Legislativo 196 / 2003)

1. O interessado tem o direito de obter a confirmação da existência ou não de dados pessoais que lhe digam respeito, mesmo que ainda não registrados, e sua comunicação em forma inteligível.
2. O interessado tem o direito de obter a indicação:
a) da origem dos dados pessoais;
b) os propósitos e métodos de tratamento;
c) da lógica aplicada no caso de tratamento realizado com auxílio de instrumentos eletrônicos;
d) dos detalhes de identificação do titular, do responsável e do representante designado em conformidade com o artigo 5, parágrafo 2;
e) das entidades ou categorias de entidades às quais os dados pessoais podem ser comunicados ou que possam aprender sobre eles como representante nomeado no Estado, os gestores ou agentes.
3. A parte interessada tem o direito de obter:
a) atualização, retificação ou, quando interessada, integração de dados;
b) o cancelamento, a transformação em forma anônima ou o bloqueio dos dados processados ​​ilegalmente, incluindo os dados cuja manutenção é necessária para os fins para que foram recolhidos ou posteriormente tratados;
c) a atestação de que as operações referidas nas alíneas a) e b) ter sido levado ao conhecimento, também no que diz respeito ao seu conteúdo, daqueles a quem os dados foram comunicados ou distribuídos, exceto no caso em que tal cumprimento isso é impossível ou envolve o uso de meios manifestamente desproporcionais ao direito protegido.
4. A parte interessada tem o direito de se opor, no todo ou em parte:
a) por motivos legítimos, ao processamento de dados pessoais que lhe digam respeito, mesmo que sejam relevantes para o objetivo da coleta;
b) o tratamento de dados pessoais que lhe dizem respeito para fins de envio de material publicitário ou de venda directa ou para a realização de pesquisa de mercado ou de comunicação comercial.

Art. 13. Informação (Decreto Legislativo 196 / 2003)

1. A parte interessada ou a pessoa a quem os dados pessoais são recolhidos são informados com antecedência oralmente ou por escrito sobre:
a) os propósitos e métodos de tratamento que os dados se destinam;
b) o carácter obrigatório ou voluntário de fornecimento de dados;
c) as conseqüências de uma recusa em responder;
d) os sujeitos ou categorias de sujeitos aos quais os dados pessoais podem ser comunicados ou que possam tomar conhecimento deles como gerentes ou agentes, e o escopo da disseminação desses dados;
e) os direitos referidos no Artigo 7;
f) os dados de identificação do titular e, se nomeado, do representante no território do Estado, nos termos do artigo 5 e do responsável. Quando o proprietário nomeou mais responsável, pelo menos um deles é indicado, indicando o site da rede de comunicação ou os métodos através dos quais a lista atualizada de gerentes é facilmente conhecida. Quando uma pessoa responsável por responder à parte interessada tiver sido nomeada em caso de exercício dos direitos referidos no Artigo 7, este gerente é indicado.
2. A informação referida no n.º 1 também contém os elementos fornecidos por disposições específicas do presente código e não pode incluir elementos já conhecidos para a pessoa que prestou a informação ou o conhecimento de que podem impedir o desempenho por um sujeito funções públicas, de inspecção ou de controlo levadas a cabo para efeitos de defesa ou segurança do Estado ou para a prevenção, detecção ou repressão de infracções.
3. O Garante pode identificar, com a sua disposição, procedimentos simplificados para a divulgação, prestados, nomeadamente, por assistência telefónica e serviços de informação ao público.
4. Se os dados pessoais não forem coletados da parte interessada, as informações mencionadas no parágrafo 1, incluindo as categorias de dados processados, são dadas ao mesmo assunto ao registrar os dados ou, quando se espera que sejam comunicadas, não além da primeira comunicação.
5. A provisão mencionada no parágrafo 4 não se aplica quando:
a) os dados são tratados com base numa obrigação estabelecida por lei, regulamento ou legislação comunitária;
b) os dados são processados ​​com o propósito de conduzir investigações defensivas sob a lei 7 de dezembro 2000, n. 397, ou, em qualquer caso, para reivindicar ou defender um direito em tribunal, desde que os dados sejam processados ​​exclusivamente para tais fins e para o período estritamente necessário para a sua acusação;
c) as informações ao interessado envolvam o uso de meios que o Garante, prescrevendo quaisquer medidas apropriadas, declare manifestamente desproporcionais ao direito protegido, ou seja revelado, na opinião do Garante, impossível.

Deixe uma resposta

Il tuo indirizzo e-mail não sarà pubblicato. I campi sono obbligatori contrassegnati *